Ilustração por

Sobre contos e pespontos

Entre um conto e outro, alguns pespontos. Preciso dos pespontos para manter o principal equilibrado e firme. Preciso todo o tempo... Aprendi a pespontar quando a minha mãe me ensinou a fazer flores. Não, não se aprende a pespontar quando se faz flores. Essas apenas me lembram a minha mãe que me ensinou a pespontar os arranjos que a vida nos dá.



segunda-feira, 21 de julho de 2014

104º Desafio Poético com Imagens, por TaniaContreiras Arteterapeuta

Imagem: Jean Paul Boudier



No dia em que o senti como fenda aberta e eterna, no dia em que descobri a perda, tornei-me para o mundo múmia. Mumificada, atada, encoberta, vi diante de meus olhos sempre abertos - saiba, é preciso que saiba, quem morre de fome não fecha os olhos - o tempo passando. E ele passou, passaram-se minutos, horas, anos, um sem fim de vidas, um sem fim de nãos, mas eu não cedi. Continuei. Mumificada. 


Mimetizei-me ao mundo que não o entregava a mim. Tornei-me parte dele, por vezes, feliz, por vezes, rancorosa. Mas, fiquei.


Levantar-me-ei, porém, e venho para dizer-lhe isto: esta é a sua última visão. Fica com ela, que sou eu. Guarda-a porque sou eu. Mas, será o último olhar. Amanhã, uma revoada de pássaros beliscará meus cabelos sempre presos e eu partirei, laçada pelo desejo de ser só, porém, ser livre.


Cansou-me a espera. Desataram-se os nós. Soltou-se a última das amarras, caiu por terra um amor mumificado, sempre à espera, angustiado por não saber. Iludido por acreditar. Convencido que o tempo contaria a favor...


Minha efemeridade, meu amor, gritou mais alto. 


Por Suzana Guimarães