Ilustração por

Sobre contos e pespontos

Entre um conto e outro, alguns pespontos. Preciso dos pespontos para manter o principal equilibrado e firme. Preciso todo o tempo... Aprendi a pespontar quando a minha mãe me ensinou a fazer flores. Não, não se aprende a pespontar quando se faz flores. Essas apenas me lembram a minha mãe que me ensinou a pespontar os arranjos que a vida nos dá.



segunda-feira, 24 de abril de 2017

"Também já foram esquecidos..."



Nota de um jornal da cidade de São Paulo sobre a vida que segue no metrô:

"Também já foram esquecidos cadeiras de rodas, espada, carrinho de bebê, colchão, vestido de noiva, bicicletas, penico, narguilé, fogão, carrinho de pedreiro, uma urna funerária, próteses dentárias, próteses de pernas e, mais recentemente, um olho de silicone."

Tanta coisa interessante, algumas difíceis de serem carregadas, coisas enormes que ocupam espaços e os olhos... então, você pode esquecer-me. Esquecer é distração e também arte. Deixa-me, deixa a ideia de mim n`alguma estação de metrô, numa dobrada de escada, num banco de espera, na catraca - não paga para eu passar! Qualquer lugar fora de você está bom e lindo! Quem sabe, completo até as listas dos perdidos e encontrados...


(Suzana Guimarães)