Ilustração por

Sobre contos e pespontos

Entre um conto e outro, alguns pespontos. Preciso dos pespontos para manter o principal equilibrado e firme. Preciso todo o tempo... Aprendi a pespontar quando a minha mãe me ensinou a fazer flores. Não, não se aprende a pespontar quando se faz flores. Essas apenas me lembram a minha mãe que me ensinou a pespontar os arranjos que a vida nos dá.



segunda-feira, 23 de maio de 2011

CEGUEIRA


fotografia, por SCG


Ela, na janela, vendendo frutas. Ele passa toda tarde e toda tarde diz para ela "eu a amo, eu a amo". Ela, na janela, vendendo frutas, sabe, ele não a ama, ele ama a moça rica e linda. Ela é pobre, apenas vende frutas, expostas, exóticas, na cesta rasa. Ela é cega, ela não o vê, mas ouve toda tarde "eu a amo, eu a amo". Ela queria cortar os cabelos, ela queria conhecer o mundo, saber a cor dos olhos dele, não voltar nunca mais para casa. Ela ouve os passos dele ao longe, sabe que é ele, sente o cheiro de aldeia. 

Ele passa toda tarde para contar para ela, pois ele tem certeza, com a moça rica e linda ele provará todos os frutos do mundo, subirá todos os montes. Ela também tem cheiro de aldeia.

E os cheiros se casam bem.

Ela, na janela, não tem tristeza, tem vazios, dois vazios, os dos olhos.

Ele canta para ela o amor dele, que é puro, é terno, juvenil, muito melhor que todas aquelas frutas, que só murcham.

Ela, um dia, come a fruta do dragão, o melão com chifres, todas as rambutans e uma mangostim, enquanto o escuta, atenta. Depois, fecha a janela e para lá, volta não.

Ele não fala mais "eu a amo, eu a amo"... Ele anda pela cidade e não se ouve mais aquele som cantado, de amor romanceado.

Ele não sabe, mas ela ri.


por Suzana Guimarães

26 comentários:

  1. Por que as coisas tristes tambem são assim lindas? Sabe que quando entro no teu blog chego a sentir um perfume? Estranho? Tb acho. Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Suzana, você aceita o convite para escrever a postagem de número 400 lá na palavra fátua?
    Aguardarei sua resposta.

    ResponderExcluir
  3. Amiga,

    E assim é a vida!!!!!!!!

    Beijinhossss

    ResponderExcluir
  4. Vi um comentário seu em outro blog, fazendo alusão a essa postagem. Não resisti e vim conhecer seu espaço e sua "cegueira". Muito, muito lindo. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Acho q ela ama de verdade.

    Beijinho e ótima semana!

    Maria

    ResponderExcluir
  6. Interessante... pensa-se que a moça cega é frágil e mui carente... mas ela é que comanda... tem as rédeas em suas mãos... de cega... e olhos vázios... talvez fisicamente...

    Tantas leituras e nenhuma... por isso é tão bom saborear a poesia... e seus encantos e desencantos que norteiam cada palavra...

    bjs e um forte abraço!!!

    ResponderExcluir
  7. Que forte isso, Suzana! Tão forte e verdadeiro quanto a vida!
    "Ele não fala mais "eu a amo, eu a amo"... Ele anda pela cidade e não se ouve mais aquele som cantado, de amor romanceado.
    Ele não sabe, mas ela ri."
    Vejo essa passagem como quem assiste a um filme!
    Bjo e paz, querida.

    ResponderExcluir
  8. "E os cheiros se casam bem." - lindo e perfeito isso!!

    Os cheiros se casam, muitas vezes, mais que os olhares...

    Su, amo essa música do Seu Jorge!!!

    Beijos....

    ResponderExcluir
  9. Ao comer as frutas mais exóticas demonstrando o seu desejo de aventuras, ela fecha a janela e de braços dados segue com ele pelas ruas da cidade escutando agora junto ao ouvido os murmúrios “eu a amo, eu a amo” que não podem mais ser ouvidos pelas pessoas que passam, pelo baixo nível dos decibéis. O cheiro de aldeia se mistura. E ela ri.....

    bjo

    ResponderExcluir
  10. Queridos,

    Percebo que alguns entenderam o conto, outros, não.

    A moça cega, pobre, vende frutas na janela e ela não tem o cheiro dele.

    Ele ama a moça rica e linda, que tem o mesmo cheiro dele, porque eles já se amam há muitos e muitos anos ("o amor dele, que é puro, é terno, juvenil").

    Ele, todos as tardes, vai até a janela da moça cega, para dizer que muito ama a outra.

    A moça cega decide comer todas as frutas da cesta e fechar a janela.

    Ele, hoje, anda pelas ruas, em silêncio, já não fala mais 'eu a amo, eu a amo', porque a moça que o ouvia, a pobre, cega, que vendia frutas, não mais o ouve.

    A moça cega está sozinha no canto dela, quieta, porém, ela ri. Ela ri da mudez dele.

    Para mim, a interpretação do texto fica a critério de cada um, mas eu gostaria de deixar isso claro. Não estou tecendo julgamentos/sentimentos, isso eu deixo a cargo de vocês.

    O texto não foge da realidade. Acontece isso todos os dias. Eu perguntaria: 'por que ela comeu todas as frutas e fechou a janela?', 'por que ele gostava de mostrar para a moça da janela que amava a outra?', 'qual seria a razão dele?', 'a moça da janela o amava?', 'ele amava o amor tão propagado?', 'por que ele se calou quando ela se retirou?', 'por que ele não continuou gritando aos quatro ventos que amava a moça que tinha o cheiro dele?'.

    Bom, como autora do conto, tenho todas as respostas, mas as deixo por conta de vocês.

    Obrigada pela presença, pelo carinho!

    Beijos a todos.

    ResponderExcluir
  11. Helcio,

    Vou lhe enviar um e-mail, mas desde já digo que aceito, claro, uma honra!

    Obrigada pelo convite.

    ResponderExcluir
  12. Boa noite Suh!

    Ás vezes o amor tem disso... passamos a amar mais alguém quando tem quem escute nosso grito, tvz o amor pela moça rica nem seja tanto, pois, se fosse amor, um sussurro bastaria.
    Quanto a menina cega, acho que ela cansou, nesse caso, o que os ouvidos não ouvem o coração não sente, sem que ela fique na janela o seu amado não poderia propagar sua suposta felicidade, lhe faltava expectador... Ele não mais a atingia. E na nossa vida acontece muito, apesar do amor que sentimos precisamos de um distanciamento para podermos sorrir da tristeza que a vida nos causa.

    Quando li o texto a primeira vez, cheguei a pensar q a menina cega não soubesse do seu esplendor, que ela fosse o objeto de desejo do homem que gritava, que era pra ela e dela que ele falava, pois era assim que ele a enxegava, e que ela não fazia ideia pq não enxegava e assim não notava.... rs...



    Viagei demais?

    Rs....

    Beijo grnade!

    ResponderExcluir
  13. Su querida,
    Mordi a fruta e fiquei cega de ver, talvez por já saber, o quanto é cruel a ilusão e vivemos dela.
    Bj grandão e linda semana

    ResponderExcluir
  14. Devia ter muita maca na cesta... de amor proibido.

    ResponderExcluir
  15. A unica cegueira que é de fato um problema é aquela que nos priva de ver o que está diante de nós. Ai ai ai, essas nossas limitações.

    bacio

    ResponderExcluir
  16. É sempre assim, pagamos por não ver as coisas que é bom para nós mesmo, o amor.
    Devemos sempre ser assim enxergar com a alma. E
    para que os cheiros se casem é necessário ter os outros sentidos bem aguçados.
    Abraço

    ResponderExcluir
  17. Su,

    Eu já comi todas as frutas, até o talo delas, me fartei, me lambuzei..porque mesmo depois de fechar a janela e não ouvir mais eu a amo, ainda me restaram o sabor das frutas.

    Esse sabor não deixou nenhuma dor.

    Eu sou apaixonada pelas suas escritas, mesmo que eu entenda de um jeito tão meu...porque de alguma maneira, eu me vejo nelas. SEMPRE!

    Um abraço Su!

    Meu bem querer de sempre, e por todo sempre!

    ResponderExcluir
  18. Oi, Lilly.

    Realmente, querida, tem tudo a ver com o poema que publiquei ontem... vc fez a ponte perfeitamente, e por ela eu atravessei e comi todas as frutas com a moça cega na janela... ADOREI!

    Beijo grande... :)

    ResponderExcluir
  19. Querida Lily...
    O texto está tão bem escrito que dá até agonia.
    De tão lindo, intenso, verdadeiro...
    Senti até o gosto das frutas, o cheiro de aldeia, os passos e a voz romanceada.Demais.
    Hummm e adorei a trilha sonora do blog,
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Ela, a da janela, pareceu-me ver com mais exatidão o que se passava no coração dele, mas como tudo e como em todos, o muro é grande e alto e escolher o lado certo é que denota precisão, coragem, ele não escolhe, se recolhe e se encolhe e não desce do muro para lado nenhum. Ver, cheirar, sentir...nem todos conseguem.

    ResponderExcluir
  21. E eu vago pela vila pescadores que vou todos os dias e tbém sinto uns cheiros de mar, sal, peixes, camarões, brisa...nesta vila há frutas, um por do sol, comidas regionais, e, janelas fechadas, não sei se alguma moça cega, esperando alguém...como eu!
    Bjs...

    ResponderExcluir
  22. Lily eu já estava com saudades de passar por aqui, você voltou, e como já disse... espero que fique por aqui. sempre, sempre.

    O post é tão tristinho, mas é maravilhoso, lindo. pode se sentir, é como se estivessemos em todo texto, só olhando por detrás de um arbusto. dá pra ver. e tudo. maravilha!


    eu lhe espero no meu espaço. beijos.
    www.iandeee.blogspot.com

    ResponderExcluir
  23. "Ela queria cortar os cabelos, ela queria conhecer o mundo, saber a cor dos olhos dele, não voltar nunca mais para casa. "

    tenho duas mulheres dentro de mim a que ama e gosta de ficar com seu homem e a que quer ser livre e viver sem amarras...

    ResponderExcluir
  24. Oi Lily
    Explicar pra quê nao é?
    o amor tem razões...as vezes temos a sensação de estarmos no lugar errado ,na hora errada.
    a mocinha da janela , o moço cantando versos de amor que estava no ar e nos cheiros
    Desencontros? ou apenas desejos e sentimentos a revelar ?
    tão bom se pudéssemos amar o possível ...

    deixo abraços, linda!

    ResponderExcluir
  25. Mais vale frutas na cesta do que um amor passando mna janela, rsss.

    ResponderExcluir
  26. São simplesmente lindos os seus versos de amor...

    Beijo com carinho, querida!

    ResponderExcluir

A caixa para comentários está novamente aberta. Contudo, agora, "os comentários passam por um sistema de moderação. Não serão aprovados os comentários:
- não relacionados ao tema do post;
- com pedidos de parceria;
- com propagandas (spam);
- com link para divulgar seu blog;
- com palavrões ou ofensas a pessoas e marcas;"
- com luzinhas e pequenos corações saltitantes porque pesam a página.