Ilustração por

Sobre contos e pespontos

Entre um conto e outro, alguns pespontos. Preciso dos pespontos para manter o principal equilibrado e firme. Preciso todo o tempo... Aprendi a pespontar quando a minha mãe me ensinou a fazer flores. Não, não se aprende a pespontar quando se faz flores. Essas apenas me lembram a minha mãe que me ensinou a pespontar os arranjos que a vida nos dá.



segunda-feira, 2 de maio de 2011

CONTOS DE LILY - ano 2


ilustração, por R. Meneghini



Poderia estar chovendo fino, manso, num dia silencioso, e a palmeira em frente à vidraça bateria, bateria, feito uma sineta tocada, uma campainha, a mão querendo entrar, conhecer, tocar.

Poderia estar chovendo fino e a moça me daria uma sombrinha, diria 'boa viagem'!

Poderia estar chovendo fino lá fora, mas não está. Faz Sol lá fora, dentro de mim, uma geleira.



Petrificadas, assustadas, amedrontadas, as palavras fecharam-se dentro de um corpo, o meu.



Alguém estende os lençóis da cama, asperge alfazema, pensa em mim, anseia por mim, e os dias sufocam-se escangalhados, inseguros, perdidos em cima de um piano mudo. As notas musicais também petrificadas e não se fala mais em arte, poesia, detalhes.



Poderia estar chovendo fino, poderia haver riso, ah!, eu poderia escutar, mas poderia é longe, é do outro lado do mundo, lá, onde a menina não coroou a santa, não saiu na melhor fotografia da escola, não encontrou o que procurou.



Hoje, a menina senta e escreve, digita, ela ama o som que as teclas fazem, mas há mais espaços vazios entre cada toque que palavras, que alguma coisa qualquer que possa sair de dentro dela. A toalha da mesa da festa está em guardanapos, assim como os cristais. A janela sequer se abriu nas ensolaradas tardes.



Poderia estar chovendo fino lá fora, para comemorar todas as idades da menina que se perdeu num tempo inexistido, chacoalhado na bagagem, nas dobras das entrefechadas encruzilhadas do caminho ilusório.



Imóvel a palmeira, mortas as palavras e a menina dorme. Eu, eu a velo.



                                        'PODERIA', por Suzana Guimarães

25 comentários:

  1. ...que triste, tentei abrir a janela para você e senti o frio, não consegui abrir e entristeci...
    Mas, o novo amanhecer chegará e a luz do sól teimosa entrará e o teu sorriso iluminará.
    BeijossSSSS

    ResponderExcluir
  2. Senti essa chuva aqui dentro, e por esses dias, abro a janela por rotina, nem sei se o céu está azul ou cinza.

    Belo e tocante texto.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Chove aqui em minhas rotinas outonais, nas vozes do teclado que levam até a menina um abraço carregado de saudades desconhecidas..

    Sinto daqui a intensidade do seu sentir, das suas palavras...

    Beijos Su

    ResponderExcluir
  4. Choveu aqui, abri a janela e os céus estavam escuros, fechei a cortina e acendi as luzes então.

    Beijooos, Lily.

    saudade!!

    ResponderExcluir
  5. Minha amiga.

    Nem vou comentar o texto.
    Parabéns pelo aniversário do blog.
    Neste cantinho a conhecemos, aprendemos a ama-la e aguardar ansiosamente pelos seus textos sensiveis, as vezes duros, outras vezes liricos, mas sempre impregnados do seu ser.
    Você tem a magia de brincar com as palavras.
    É muito boa esta troca vinda de você.
    Com certeza ganhamos nós.

    bjos

    ResponderExcluir
  6. Há poucos minutos atrás, eu estava aqui a lembrar de uma menina que agarrou o ursinho e entrou num carro com destino ao outro lado do oceano. Todos pareciam saber o que era bom pra ela e diziam frases de efeito, coisas bonitas. Nada era ouvido, mas eles diziam assim mesmo.
    Do outro lado do seu mundo, ela seguia observando aquelas pessoas, dias depois e ouvia a mesma ladainha. Anos inteiros assim. Depois de ler o seu texto parece que uma vida inteira silenciou. Finalmente.
    As vezes as coisas simplesmente se orientam.
    bacio

    ResponderExcluir
  7. Queridos,

    Obrigada, obrigada...
    Prometi que voltaria na primeira semana de maio para comemorar a entrada do segundo ano de criação dos Blogs... pois então, voltei! Por hora, o outro Blog O MEDO DE SUZANA ficará sem texto comemorativo, realmente, nada tenho para escrever.

    Tudo aqui existe por conta de vocês, os textos, as músicas, toda a rotina, ou quase rotina.

    Eu nada publicaria se não tivesse leitores, eu não suportaria, odeio falsos pudores e a vida só vale a pena se for em vias de mão dupla.

    Agradeço a todos, vocês me fizeram imensamente feliz no ano que passou.

    Beijos,
    Suzana/LILY

    ResponderExcluir
  8. Oi Suzana...
    Pude ver a chuva nas janelas de seus olhos.
    Ardentes do calor do dia...
    Parabéns pelos dois anos...
    è uma longa estrada.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Gosto dessa chuvinha mansa e dessa menina linda que digita bem e tem o sol escondidinho lá dentro .
    rs
    bocado bonito esse poema que também homenageia os amigos nesses dois anos de partilhas.
    também tenho a sua idade.Somos jovens , a diferença é que és poeta e eu gosto de poetas, não pra sugá-los mas pra incentivar e reverenciar pelo dom maravilhoso .
    abraço Lily muitos abraços

    ResponderExcluir
  10. Su, minha lindona, saudade de vc aqui e lá!

    Andei pelos teus desenhos com mta intimidade, como quem confessa com os olhos.
    O poderia é inacessível.
    Parabéns pelo niver do blog!
    Some não! Gosto imensamente daqui.
    Bjão e linda semana

    ResponderExcluir
  11. cuTUCAndo... (falar, só quando setembro vier!)

    Nem beijos

    ResponderExcluir
  12. Querida!!

    Parabéns pelo aniversário do blog... Uma vitória mais que merecida!!

    Desejo que você logo retorne com força para encantar nossos dias... se bem que você canta e encanta, mesmo de longe!

    A força de suas palavras, mesmo na tristeza, é admirável!

    Um beijo muito carinhoso!

    ResponderExcluir
  13. Suzana, tbém chove nesta ilha, tbém faz sol por aqui, tbém tenho dias entrecortados de nublados e saudade de mãos nas minhas, dos sorrisos, das gargalhadas, das fotografias, das castanhas comidas nas dunas, do barulho do vento e da areia no corpo... Sinto tanto esses dias Suzana, e vi palmeiras de buriti, um rio escuro, um avião cruzar os céus e alguém se perdeu na bruma da madrugada e está no sul do país, nem sei se o verei, talvez em julho, com uma viagem pelo litoral de S.luís ao Ceará...Ah, Suzana, como sinto saudades!
    Bom saber de vc! Bj*

    ResponderExcluir
  14. poderia estar raiando
    um resquício de sol
    um arrebol gemente
    dessa gema ensolarada
    uma brecha enluarada
    uma nuvem descalçada.

    poderia estar soprando
    uma brisa acalentada
    uma fonte de água rasa
    uma flor amadeirada.

    poderia estar aqui
    uma andorinha abandonada
    pousando na minha íris
    suas noites mal dormidas

    ahhh, poderia!
    ser calor de derreter
    amor pra conviver
    desejo de estremecer

    uma mão naquele escuro
    uma clareira atrás do muro
    um espanto com encanto
    poderia ser pra sempre
    um desgelar antartico
    esse meu coração naufragado
    por entre os icebergs das horas
    por dias afins.

    Meu carinho, moça.
    Senti sauaddes.
    Samara Bassi.

    ResponderExcluir
  15. quem sabe um dia um raio de sol encontra um caminho para aquecer e iluminar a menina?

    ResponderExcluir
  16. O verbo poder no futuro do pretérito é uma forma hipotética demais para realmente acontecer, por outro lado é lúdico nao é.

    ResponderExcluir
  17. Pois hoje como é o dia do astro Rei SOL deveria estender-se sob ele e deixar do gelo derreter com o seu calor a geleira que encontra-se dente de ti, deixando de ser uma pessoa petrificada como diz. Risadas.
    E se és leonina regida por leão e o sol e seu guia astrológico é por que realmente és como diz, um verdadeiro furação.
    Abraço amiga, estive fora da mídia por uns dias , pois o meu computador deu pau, como se diz aqui, daí a demora da interação.

    ResponderExcluir
  18. ...às vezes a nostalgia, a saudade,
    o estar solitário nos torna poéticos,
    e você 'desenhou' neste post, os
    contornos do teu lindo coração!

    que linda és!

    bjbjbj

    ResponderExcluir
  19. Imóvel a palmeira, mortas as palavras e a menina dorme. Eu, eu a velo.

    - EU A VELO -

    Nem preciso dizer mais Su!

    Parabéns pelos dois anos do blog, parabéns pra mim, em ter conhecido uma pessoa que passaria a se tornar importante demais pra mim!
    E você é!

    Obrigada por TUDO!

    Por toda a minha vida!

    Te tenho um bem querer do tamanho do universo!
    Infinito..

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  20. Parabéns!

    O que a menina escreve chega aos nossos corações com cheiro suave... com sentimento e graça...
    Saudades de ouvir/ler vc!

    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  21. Parabéns pelos dois anos.
    Poderia queixar-me da tua ausência, poderia...
    mas não vou entendo e aceito
    que bom que pudemos comemorar, juntos, esta passagem

    Abraço

    ResponderExcluir
  22. nossa! mais como senti sua falta mocinha...
    mais o tempo de alguma forma sempre traz algo que gostamos de voltaa!!! mais tds seus seguidores intendemos sua ausência suzana...
    (rsrsrs)

    "Feliz pelo seu regresso"

    (nate)

    ResponderExcluir
  23. Resumindo em poucas palavras:
    sinto saudade.

    ResponderExcluir
  24. Nossa Suzana! Tão lindo...Deixou meu coração apertado.
    Beijo no seu.

    ResponderExcluir
  25. A chuva trás saudade, trás lágrimas disfarçadas. trás eescritos como o seu. adorei.

    Beijos, e lhe espero no meu espaço,
    tem texto novo por lá.
    www.iandeee.blogspot.com

    ResponderExcluir

A caixa para comentários está novamente aberta. Contudo, agora, "os comentários passam por um sistema de moderação. Não serão aprovados os comentários:
- não relacionados ao tema do post;
- com pedidos de parceria;
- com propagandas (spam);
- com link para divulgar seu blog;
- com palavrões ou ofensas a pessoas e marcas;"
- com luzinhas e pequenos corações saltitantes porque pesam a página.