Ilustração por

Sobre contos e pespontos

Entre um conto e outro, alguns pespontos. Preciso dos pespontos para manter o principal equilibrado e firme. Preciso todo o tempo... Aprendi a pespontar quando a minha mãe me ensinou a fazer flores. Não, não se aprende a pespontar quando se faz flores. Essas apenas me lembram a minha mãe que me ensinou a pespontar os arranjos que a vida nos dá.



quinta-feira, 25 de novembro de 2010

MELHOR ASSIM

fotografia, por SCG

Perco-me em teus endereços. Perco-me em tua pressa, em tuas mãos afoitas, apressadas de mim. Toma tempo. Toma descanso. Sinta-me. Respira-me. Não se agite tanto, não se mova tanto, faz silêncio, recoste-se na borda desta história. Toma teu sagrado endereço, aquele que não alcanço. Aquele que não descubro. Aquele que você mesmo deixou largado e perdido dentro do bolso do casaco.

(Suzana C. Guimarães)


47 comentários:

  1. Quase todos os dias recebo presentes. E como não se sentir feliz ao receber um presente? - São pessoas amigas que entram em nosso coração. Pessoas assim como você que gostei de ler lá no blog da Fernanda. Dessa forma estou feliz por receber mais um presente especial: - É ter você como uma Grande amiga!

    Obrigado pelos comentários em meu blog!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Aquele que você mesmo deixou largado e perdido dentro do bolso do casaco.

    como o nome de seu poema melhor asim...

    nada e por acasso...

    belas letras amiga muito sentimiento en tuas letras belo poema...

    saludos
    abracos
    otima semana

    ResponderExcluir
  3. Aqui em Ribeirão Preto-SP, ainda estamos em horário de verão, ou seja 3h00,
    Mas realmente tenho esta mania de trocar o dia pela noite. Para mim já se tornou normal, por isso consigo escrever algo pela madrugada afora.
    Tenho a Hana que mora no Japão e me escreve neste horário. Também lá é dia! (Risos!...).
    Um grande Abraço, com prazer recíproco!

    ResponderExcluir
  4. Fotografar o quadro do jeito que ele é me foge aos olhos.
    As cores fortes e belas da poesia fincam moradas aí.
    Cada estação todos os detalhes.
    Su, outro belo poema .
    O Essencial está presente.

    Beijo.
    Fernanda.

    ResponderExcluir
  5. Plugado no GPS, perde-se o misterio...

    bjos

    ResponderExcluir
  6. Coisa mais linda... há que se transcender às aparências, ser o que tiver e sonhar ser.
    Que paisagem fantástica.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  7. A perda que você descreveu é o maior encontro.

    Abraço!

    ps.:lindo seu blog.

    ResponderExcluir
  8. Faz silencio pro tempo falar
    Eu dizia-lhe...
    tenha calma
    venha correndo abra os braços
    e jogue-se
    deste pico mais alto onde estou em vc
    respire fundo
    sinta como é jogar-se no vazio
    vc flutua
    e o vácuo nos acopla.
    Mas pra isso não podia ter medo de voar
    E seus pés mantiveram as raízes.

    Percebo-me em sua fala, então juntei-me ao tear, como se possível ainda ser ouvida, melhor assim,rs.
    Bjinhos em SolM a vc querida SuzAna.

    ResponderExcluir
  9. Como te disse, continuo te lendo, mas já que me chamou, eu vim. =) Principalmente para dizer que gostei muito deste escrito.

    Beijo, flor.

    ResponderExcluir
  10. Que foto fantástica!

    Ah! nesse caso, eu adoro me perder! rs

    bjO
    ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  11. Lily. Sempre lindo os teus textos e doces de ler amei, mas meu enderecço eu não possa dar, mas sim a minha doce amizade, Lily apenas estou a brincar.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderExcluir
  12. OI Su, a chegada é só para um beijo.

    Com carinho.
    Fernanda.

    ResponderExcluir
  13. ..ás vezes é melhor assim...!
    Tenho desafio e selinhos pra voce la no Blog, se puder passe la..é sempre um encanto te receber!
    bjossssssss

    ResponderExcluir
  14. [o que de melhor há nos sentidos e bússolas perdidas do mundo: o seu lado mais incondicional]

    um imenso abraço, Suzana

    LB

    ResponderExcluir
  15. Voa, voa...

    O voo é para poucos!

    ResponderExcluir
  16. É quase tão sereno quanto o nosso desejo de sempre pelo amor, se não caísse no esquecimento... ^^ adorei! Bjaoooo!

    ResponderExcluir
  17. E quando estiver longe, e olhar no bolso do seu paletó vai perceber que o endereço muda, sempre...

    Su, como eu amo ler vc!!!

    Beijos linda!!!^^

    ResponderExcluir
  18. Lily,

    Que maravilha suas fotos, e seus posts,, agora que ganhei uma camera de verdade, também vou começar a usar fotos de minha autoria, só não sei se terei o mesmo bom gosto que voce.
    E afinal, posso saber de onde você arranjou esse nome Lily? que é lindo por sinal.:))

    ResponderExcluir
  19. Lily,
    Eu sei que gostas de brincar e eu gosto das brincadeiras.
    adoro você menina!
    Vou responder no ritmo.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  20. Su,

    Recostar na borda das nossas histórias é viver sem ansiedade as consequências de escolhas.
    Saborear o fruto que se tem....... a vida!

    Bjs, minha amiga talentosa

    ResponderExcluir
  21. Minha linda,

    Tem coisas que a gente perde, encontra,
    volta a perder, talvez reencontra na frente..

    Mas muitas coisas que me acontecem na vida Su, não importando em que sentido for, eu repito depois a mim mesma:

    MELHOR ASSIM.

    Um beijooooooo, com meu carinho imenso e sincero de sempre!!!

    ResponderExcluir
  22. E eu concordo contigo menina,mas precisava ler para entender as barbaridades deste homem e não entendi nada. Cruel até o último fio de cabelo.

    Beijo amor.

    ResponderExcluir
  23. Encantei-me com o sorriso dela.
    Depois com poema e sua extensão
    A flor bela que rega os jardins
    Mora no coração.

    Lily amiga querida
    Minha poesia está de dieta
    Mas para te mandar um verso
    Visto meus dedos e viro poeta.

    Porque por ti ganhei carinho
    Desses que a gente precisa
    Para encher o mundo de flores
    Flores que encantam a vida.

    Quando eu fecho os meus olhos
    Em rumo ao infinito
    Encontro nesse fechar
    Tudo que acredito.

    Um jardim vasto e florido
    Nos olhos do beija flor
    Nas asas da borboleta
    Nas poesias que falam de amor.

    Tomara que sirva menina
    beijo

    ResponderExcluir
  24. O tempo passa e a cada dia a mais, e bem mais, a mim, Fernanda, voce me encanta. Pedi-lhe uma flor ou seu odor, tu me destes um jardim, so pra mim.
    Eu lhe pedi um pouco de calor, voce mandou o Sol cobrir-me, eu lhe pedi luvas para frio, voce enviou sobretudo, amor.

    Beijos, minha linda!

    ResponderExcluir
  25. Eu estava com saudades daqui e quando cheguei encontrei lindos versos, como sempre.
    beijos
    Denise

    ResponderExcluir
  26. Levamos uma vida cada vez mais agitada...
    Gostei do seu blogue e principalmente dos seus poemas.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  27. Oi Suzana...
    Às vezes é melhor não saber endereços, apenas ser livre, sentir o vento o calor do sol e o passar do tempo...
    Ir além dos muros pra se sentir seguro e viver o momento.Às vezes tenho muitas dúvidas se um dia saberemos se é melhor ou pior assim.
    Como sempre suas poesias são tão profundas,misteriosas e deliciosamente gostosas de ler, pensar e ficar a imaginar...
    Valeu sua visita e deixei um recado especial para vc na poesia céu.
    beijos e bom início de semana.

    ResponderExcluir
  28. Néia,

    Obrigada pelo carinho, pela atenção!

    Sim, no O MEDO DE SUZANA escrevo sobre mim e no CONTOS DE LILY, ficção. Mas, digo-lhe, como separar o corpo que escreve da alma? Como? Cria-se uma história, inventa-se, ou um poema sai inteiro, de uma vez só, sem razão aparente ou porque uma palavra foi lida ou falada. Às vezes, feito naquele texto, MELHOR ASSIM, eu estava escrevendo a primeira frase ("perco-me em teus endereços") num comentário que fazia num texto de uma amiga blogueira. Ela tem vários endereços e eu realmente me sentia perdida, não sabia se era Blog novo ou renovado, decoração nova. Daí, a frase ganhou espaço em mim e eu escrevi (num e-mail para mim mesma) o resto. Esse "resto", Néia, com certeza não é ficção. É a alma falando. Falando o quê? Para quem? Sim, há um enigma e eu tenho as repostas, mas eu gosto é das respostas de quem me lê. Às vezes, posto lá "gente, isso aqui é ficção", faço eu mesma um comentário, mas estou decidindo-me a parar com isso. Percebi que isso magoa os amigos e isso eu não gosto e nem quero. Eu preciso das interpretações, são elas que dão vida ao meu texto. O texto é meu, mas após publicado passa a ser de todos e a minha interpretação fica pequena demais. Quem dá movimento a eles, quem dá a vida são os comentários alheios, as diversas interpretações.

    Escrevo numa espécie de exorcismo, o que me ajuda muito a entender "as coisas da vida", e, a opinião dos outros clareia, consola, apóia e também inspira.

    Então, fique à vontade. Vou até modificar a mensagem que deixei no quadro de comentários.

    Obrigada por participar!

    Um abraço,

    Suzana/LILY

    P.S.: vou postar esta minha resposta a você lá também, para que todos possam ler.

    COM CERTEZA, NÃO POSSO CHAMAR AS COISAS DA MINHA ALMA DE FICÇÃO.

    ResponderExcluir
  29. Lily KD você?
    Euzinha aqui soltando o verbo. Hehehe.

    Beijo linda.
    Fernanda.

    ResponderExcluir
  30. Oi Suzana..
    Assim como os seus textos, adoro seus comentários complementares,tão misteriosos quanto os textos, dão sempre uma vontade de ter ler mais para quem sabe te desvendar. Se é que é possível!! Não acho que eles possam inibir ou magoar alguém, é incrível, é você discutindo sobre você...Tudo é um charme, não mude nada, pelo menos no meu ponto de vista.
    beijos novamente

    ResponderExcluir
  31. E não é para soltar o verbo? A noite inspira hehehe..
    E eu estou me sentindo Alice.
    Mas sem o coelho rsrsrs

    Beijo menina!

    ResponderExcluir
  32. Você é um encanto!
    E eu adoro você!

    Obrigada amor.
    Fernanda.

    ResponderExcluir
  33. Que paisagem linda da vontade de voar mesmo!
    Blue

    ResponderExcluir
  34. Oi, Néia!

    Creio que não expliquei bem quando eu me referi aos amigos. Eles falam em realidade, eu falo em ficção e, às vezes, ou muitas vezes, sou um pouco seca para responder, digo que é ficção e ponto. Eles estão certos, eles devem interpretar tal qual sentem e eu amo isso, mas, da mesma forma que passei a vida tendo dificuldade para tocar nas pessoas, também, muitas vezes, tenho dificuldade de expressar-me. Escrever um texto é mais fácil para mim que comentar. Gasto mais tempo comentando nos Blogs dos amigos e no meu próprio que escrevendo, pois fico medindo palavras e creio não ser boa nisso; feito costureira, com fita métrica em punho, contando duas palavras para cá, duas para lá. Quanto mais meço, pior fica.

    Então, voltando, quando venho aqui e escrevo que o texto é ficção, esqueço para trás a fita métrica ou meço tudo errado. Soa metálico, repreensivo. É total falta de jeito mesmo.

    Você me ajudou muito com teu comentário em teu Blog e aqui. Ao escrever um texto, sou aquela costureira que pega o pano, corta e monta a roupa. Ao entrar nesta caixinha apertada aqui, para comentar, sou aquela costureira que teve que fazer conserto e costureira que faz conserto não cria peças e vice-versa.

    Olha só o tamanho dos meus singelos comentários... rs!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  35. Fernanda,

    Doce, és tu!
    Sou agridoce, mais para agri que doce, infelizmente.

    Beijos a todos que aqui passaram.

    Suzana/LILY (hoje, escreveram as duas)

    ResponderExcluir
  36. Ah, eu adoro uma urgência, adoro! Não sei lidar com a calma, maximizo minhas emoções nessa pressa que sempre me acompanha.

    Suzana, seja muito bem-vinda ao meu blog, viu? Vou ficar por aqui também!

    Um beijo, ótima semana!

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  37. Guarde teu endereço, aquele perdido no bolso do teu casaco, bem guardado, pois a ANA DINIZ, minha amiga, enviou-me de presente um balão. Agora, posso voar por onde eu quiser (veja-o no alto da página à direita).

    P.S.: aposentei a minha vassoura.

    ResponderExcluir
  38. Então...
    em tempos modernos as bruxinhas(boas)saem de dia de óculos escuros em seus carros de biodiesel e de coisas radicais, tipo montanhismo, rs.
    Mas Lily esqueça sua varinha mágica.
    Pirlipinpin pra vc.
    bjinhos

    ResponderExcluir
  39. Lily/Suzana, perco-me em você, nas suas entrelinhas. suas palavras devoram a minha alma e ao mesmo tempo me satisfazem do meu proprio eu.
    beijoos

    ResponderExcluir
  40. Uau, adorei!!!
    Nem sempre o endereço é necessário, alguns podem ser encontrados pelo perfume do medo da descoberta.
    Bj

    ResponderExcluir
  41. Se perder no amor é sabedoria.
    Não há mistério nessas mãos já sabem onde se encontra a poesia.
    Numa história linda de amor permitindo que a certeza fosse achada naquele bolso tão teu.

    Beijo Lily,
    Saudades tuas, minhas doces tuas agri tá?Heheh
    Fernanda.

    ResponderExcluir
  42. O sagrado endereço largado e perdido dentro do bolso do casaco, junto a tanta poesia, que, presa, tenta pular para fora.

    Pergunto-me se aquele bolso é meu ou teu. Às vezes, na confusão dos "nãos" a gente se encontra.

    E fica a sensação de um arrepio frio, aquele fino, no lado esquerdo da cabeça, que vem e se instala por minutos e minha mão toca, de leve, para sentir. Ou, tua mão?

    ResponderExcluir
  43. Beijos e agradecimentos a todos que por aqui passaram.

    Amanhã, retorno, estou tentando me curar de uma forte dor de garganta.

    Eu e a minha mania eterna de perder a voz...

    Suzana/LILY

    ResponderExcluir
  44. Já perdi, Suzana, muitos endereços que, quiçá, fossem me nortear, no entanto, foram molhados e destruídos pelas metáforas do tempo. Beijos

    ResponderExcluir
  45. Oi Suzana...
    Senti falta de passar por aqui.
    Seu texto é realmente perfeito...
    Tem ritmo e silêncios que o fazem mais belo.
    Ando numa intensidade parecida.
    Talvez seja um efeito do fim de ano.
    Que acha?
    Beijos

    ResponderExcluir

A caixa para comentários está novamente aberta. Contudo, agora, "os comentários passam por um sistema de moderação. Não serão aprovados os comentários:
- não relacionados ao tema do post;
- com pedidos de parceria;
- com propagandas (spam);
- com link para divulgar seu blog;
- com palavrões ou ofensas a pessoas e marcas;"
- com luzinhas e pequenos corações saltitantes porque pesam a página.