Ilustração por

Sobre contos e pespontos

Entre um conto e outro, alguns pespontos. Preciso dos pespontos para manter o principal equilibrado e firme. Preciso todo o tempo... Aprendi a pespontar quando a minha mãe me ensinou a fazer flores. Não, não se aprende a pespontar quando se faz flores. Essas apenas me lembram a minha mãe que me ensinou a pespontar os arranjos que a vida nos dá.



quinta-feira, 25 de novembro de 2010

MELHOR ASSIM

fotografia, por SCG

Perco-me em teus endereços. Perco-me em tua pressa, em tuas mãos afoitas, apressadas de mim. Toma tempo. Toma descanso. Sinta-me. Respira-me. Não se agite tanto, não se mova tanto, faz silêncio, recoste-se na borda desta história. Toma teu sagrado endereço, aquele que não alcanço. Aquele que não descubro. Aquele que você mesmo deixou largado e perdido dentro do bolso do casaco.

(Suzana C. Guimarães)