Ilustração por

Sobre contos e pespontos

Entre um conto e outro, alguns pespontos. Preciso dos pespontos para manter o principal equilibrado e firme. Preciso todo o tempo... Aprendi a pespontar quando a minha mãe me ensinou a fazer flores. Não, não se aprende a pespontar quando se faz flores. Essas apenas me lembram a minha mãe que me ensinou a pespontar os arranjos que a vida nos dá.



sexta-feira, 13 de agosto de 2010

COMPOTA DE FRUTA, COMPOTA DE AMOR

desconheço o autor da fotografia

                                                                   por Suzana Guimarães

Deve ser mal de família.
Meu irmão sempre gostou de compotas
De manga, pêssego, goiaba...
Eu sempre comi a cor
Amarelo vivo, laranja terra.
Gosto doce,
Nunca me agradou.

Deve ser mal de família,
Minha mãe, tão doce
Meu pai, tão limão.
Precisava do meu pai para ser doce,
Mas ser limão,
Não é de todo ruim
Faz a gente, pelo menos,
Aprender a fazer compotas

Compotas de amor.

A gente pega pedaços da fruta
Tão tenras, tão cor
Bota tudo na compota
Aperta bem, espreme,
Depois, lacra.

Deve ser mal de família,

Aprendi a fazer arte.
A gente pega a compota
Já tão lotada e lacrada
E enfeita com um paninho colorido
Bem em cima, na tampa.
Dá um lacinho com fita vermelha
E guarda.

15 comentários:

  1. O mal de FAmilia... a compotas de amor... o doce tao sublime,,,

    SAludos amiga

    lindo final de semana
    Abracos de coracao

    ResponderExcluir
  2. Que lindo, achei sua delicada poesia tão sublime.

    Adorei
    Abraços
    Walter

    ResponderExcluir
  3. Suzana,
    é assim que se deve fazer com tudo que faz bem à gente: cuidar, guardar, enfeitar, aromatizar.
    Compotas de frutas, compostas de afeto, doces lembranças, sensibilidade para todos os sabores e a generosidade de compartilhar conosco. Senti o aroma e o sabor das compotas.

    ResponderExcluir
  4. Suzana.

    Eu então sou uma compota.
    Doce, azeda!
    Existe sim, uma compota em mim.
    O gosto? Depende do sabor de cada um.
    Que me "experimenta" como ser humano.

    Um abraço imensooooooooooooooooo!!!

    ResponderExcluir
  5. Eu como com os olhos as cores dos doces na feira, no mercado...eu degusto os doces feitos em casa, como o de abóbora aprendido esses dias... e adoro tudo com limão: chá-mate com limão, gelatina de limão, caipirosca de limão...Eu adoro o que é doce, azedo, agridoce...Eu tento aprender sozinho a controlar as compotas dos olhos, das emoções; pq minha família, não, não teve esse mal, de ensinar a fazer compota! Um bom fim de semana! Bjs*
    PS: Seu poema sobre a mulher negra ficou lindo, ela corre por florestas? Ainda existe florestas que ela possa correr...?!

    ResponderExcluir
  6. Maravilhoso tudo aqui, li alguns textos e me encantei...
    estou seguindo
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Alguns 'mal de família' é ótimo ter herdado :)
    Será que esses 'mal de família' pode ser passado para outras famílias? Até pq, de limão todo mundo tem um pouco, mas fazer compotas, principalmente de amor, não é pra qualquer um.
    Eu fico numa baita felicidade qdo leio tuas palavras me comparando com uma joaninha no braço, confesso que antes disso não tinha prestado tanta atenção em uma, mas tu tens instigado essa nova paixão em minha vida.
    Outra coisa: adoro qdo vejo teu pontinho por lá, isso significa que terei a oportunidade de ler tuas palavras pra mim.
    Um beijo muito carinhoso e bem apertado :)

    ResponderExcluir
  8. Se foi sonho ou poesia... que importa?! Me emocionei como tudo que vem de vc! Tbém não acredito que eu seja uma reencarnação, mas o texto saiu aos borbotões após ler a reportagem no banco, imagina, os telefones tocando, as pessoas gritando e eu ali, escrevendo o texto...
    Mudei sim o título do blog, o título anterior era uma refêrencia a um conto de Caio Fernando Abreu, até comentei sobre isso logo no início do blog, mas com o tempo as pessoas confundiam, comecei a achá-lo meio infantil... Esses dias relendo Caio, me deparei com um outro conto dele 'zero grau de libra', aí, como já tinha ao fundo a Terra, resolvi mudar, tbém eu e ele somos librianos...
    Beijos e um bom fim de semana! Aqui um sábado blue e bobó de camarão!

    ResponderExcluir
  9. "minha mãe que me ensinou a pespontar os arranjos que a vida nos dá."

    Amo quando caio em blogs lindos como o seu!Como escreve bem!passo a lhe seguir e digo que compotas são um BEM de família!!

    Sinta-se muito bem vinda lá em meu cantinho, onde só vale se OLHAR DENTRO DOS OLHOS..

    beijos!

    Bia Maia

    ResponderExcluir
  10. Ai que coisa mais linda de se ler...até parece minha familia..minha mãe tão doce, e meu pai limão...eu, claro,tinha que puxar o azedume do meu pai!!!
    LINDOOOOOOOOO!

    Qto as atualizações do meu Blog, verifiquei, e não tinha nada errado...
    bjossssssss

    ResponderExcluir
  11. Que meigo! Viajei pelo céu da boca.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  12. Suzana, suave, delicado. Maravilhoso ler-te!

    Abraços

    Priscila Cáliga

    ResponderExcluir
  13. Ah, achei o presente perfeito para minha amiga Kika, que fez aniversário dia 15 agora. Não queria mandar nada óbvio, queria um presente especial. Ela vai adorar! Você sabe que é um doce?
    Beijos, Suzanita!

    ResponderExcluir
  14. A sua compota poética aqui me lacrou no seu potinho, delícia de escrito! ;)

    ResponderExcluir

A caixa para comentários está novamente aberta. Contudo, agora, "os comentários passam por um sistema de moderação. Não serão aprovados os comentários:
- não relacionados ao tema do post;
- com pedidos de parceria;
- com propagandas (spam);
- com link para divulgar seu blog;
- com palavrões ou ofensas a pessoas e marcas;"
- com luzinhas e pequenos corações saltitantes porque pesam a página.